Caboclo é convocado a depor na Câmara sobre caso de assédio na CBF

FOTO DESTAQUE: CBF

Envolvido em denúncias de assédio a uma funcionária da CBF, o presidente afastado Rogério Caboclo foi convocado a depor na Câmara dos Deputados. 

O requerimento é assinado por três deputados e visa pedir esclarecimentos sobre o ocorrido na entidade. Assinam os parlamentares Tereza Nelma (PSDB-AL), Isnaldo Bulhões Jr. (MDB-AL) e Celina Leão (PP-DF).  

Uma audiência pública ainda será agendada para que o caso seja debatido.  

Afastado temporariamente 

A diretoria da CBF prorrogou, por meio de uma resolução, o afastamento de Rogério Caboclo da presidência por até 60 dias. A medida foi tomada em uma reunião que terminou na noite de ontem (1º). O prazo foi dado para dar tempo suficiente para que a comissão de ética do futebol brasileiro analise o processo no qual o dirigente é denunciado por assédio moral e sexual contra uma funcionária. Caboclo nega que tenha cometido crime. 

Se a comissão de ética tomar uma decisão antes, o afastamento provisório não precisará durar os 60 dias estipulados. Caboclo já estava fora do cargo desde o dia 6 de junho, após medida de tirá-lo compulsoriamente, inicialmente por 30 dias. 

A reunião inicialmente aconteceria hoje (2), mas foi adiantada. A ação dos diretores é inédita e foi antecipada pelo UOL Esporte.  

A diretoria da CBF espera que a sentença da comissão de ética em relação a Caboclo seja condenando o presidente afastado e recomendando a saída definitiva dele do cargo. A partir disso, a assembleia geral da entidade, composta pelas 27 federações, será convocada para validar ou não o afastamento. É preciso 21 dos 27 votos das federações para confirmar a destituição do dirigente. 

Briga política 

Caboclo não desiste e se mantém ativo nos bastidores na tentativa de angariar apoio para voltar ao poder. A tentativa de convencer as federações é constante. A defesa dele chegou a protocolar uma petição na comissão de ética tentando revogar o afastamento temporário inicial. Mas com a manobra da diretoria, as mãos dos advogados de Caboclo parecem ficar mais atadas em relação a esse movimento. 

Ao mesmo tempo, há um trabalho visando à decisão do mérito e o envio da defesa final de Rogério ao órgão que apura o desvio de ética. A comissão de ética já estava se preparando para prorrogar o afastamento compulsório de Rogério Caboclo. 

Rogério Caboclo, no meio disso tudo, acusa o ex-presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, de arquitetar o plano para tirá-lo da função e retomar o poder no futebol brasileiro. Del Nero nega. 

FONTE: UOL  

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

1 × 1 =