Auxílio emergencial de R$ 150 será insuficiente para 43% dos beneficiários

FOTO DESTAQUE: AGÊNCIA BRASIL

Os valores definidos para o auxílio emergencial em 2021 são insuficientes para recompor a renda de 43% dos beneficiários do programa que terão direito às parcelas de menor valor, R$ 150. A constatação é de estudo da FGV (Faculdade Getúlio Vargas).  

O objetivo do auxílio emergencial é “fornecer proteção emergencial no período de enfrentamento à crise” decorrente da pandemia, conforme definição da Caixa Econômica Federal, responsável pelo processamento dos pagamentos.  

Os pesquisadores da FGV consideraram, a partir das regras da nova rodada do auxílio, que as 4 parcelas com os valores mais baixos do programa, de R$ 150, serão disponibilizadas a cerca de 20 milhões de pessoas (43% do total de 45,6 milhões de beneficiários). Outras 16,7 milhões (36,3%) devem receber R$ 250 e 9,3 milhões de pessoas (20,2%) vão receber R$ 375.  

Considerando o público geral do novo auxílio, haverá compensação de renda em 24 unidades da Federação (as exceções são Amapá, Rio de Janeiro e São Paulo). Esse dado indica que o auxílio conseguirá reequilibrar a economia na maior parte do país, já que grande parte dos beneficiários terão ganhos superiores ao que tinham antes da pandemia. O dado, no entanto, não neutraliza o fato de que haverá mais gente com dificuldades orçamentárias. 

Com base nos beneficiários que vão receber as parcelas de R$ 150 e em dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Covid-19, trabalhadores de 17 Estados terão perda de renda mesmo com o auxílio emergencial, quando comparada aos valores anteriores à pandemia.  

A pior situação é a dos beneficiários que moram no Amapá, que terão uma perda de renda de até 38%. Já o Piauí é o Estado que mais ganhará renda: 33%, considerando aqueles que receberão a parcela de R$ 150. Já a Bahia é o único Estado que registrou 0% de mudança, ou seja, os beneficiários nem perdem nem ganham renda com o auxílio de R$ 150. A compensação é exata.  

As diferenças entre os Estados, de acordo com os pesquisadores, demonstram as desigualdades regionais. Dos 9 Estados que vão ganhar renda com o auxílio de R$ 150, 8 são do Norte ou do Nordeste, regiões que registravam menor renda mesmo antes da pandemia.  

Lauro Gonzalez, um dos responsáveis pelo estudo e coordenador do Centro de Estudos em Microfinanças e Inclusão Financeira da FGV, afirma que o auxílio emergencial teve um grande impacto na economia brasileira e no orçamento das famílias em 2020. Agora, no entanto, o impacto é muito menor.  

“O valor distribuído é 15% menor do que do ano passado. Com uma grande parte recebendo a menor parcela, R$ 150, não há verdadeira compensação de renda”, diz Gonzalez. “E se a economia piorar, ainda que pouco, a perda de renda para essas pessoas ficará ainda maior. Infelizmente, é algo que pode acontecer facilmente porque estamos em um momento de piora da pandemia”.  

E o impacto na renda é sentido por todos, mas, de acordo com Gonzalez, há grupos mais vulneráveis, como as mulheres. Segundo as estimativas do estudo, elas são as mais afetadas pela diminuição do valor do auxílio. Os homens terão uma perda de 2% de suas rendas em comparação com o período pré-pandemia. Já as mulheres registrarão perdas de 4%.  

No recorte por cor e etnia, é possível ver que todos têm perdas com o auxílio de R$ 150. A perda de renda mais significativa é para as pessoas brancas, com 8%, e a menos significativa é para as pessoas amarelas, com 1% de perdas. 

AUXÍLIO E MERCADO DE TRABALHO  

Outro risco para as pessoas que são beneficiárias do auxílio emergencial é o mercado de trabalho. O programa de distribuição de renda foi criado para socorrer as pessoas de menor renda durante aa pandemia. Espera-se que o benefício não seja a única fonte de renda das famílias. Mas o aumento de casos e mortes por covid-19 pressiona o emprego no Brasil.  

“Estamos em uma situação econômica pior do que no último trimestre do ano passado. E a pandemia impõe restrições que afetam diretamente o mercado de trabalho”, afirma Gonzalez. O pesquisador diz que a situação já era ruim antes da pandemia. Em fevereiro de 2020, a taxa de desemprego era de 11,6%, ou seja, havia 12,3 milhões de pessoas procurando trabalho. Mas com a pandemia piorou: em dezembro, a taxa chegou a 13,9%, o que representa 13,9 milhões de desempregados.  

“Como o mercado de trabalho está, muitas vezes não existem outras rendas para as famílias mais pobres”, diz Gonzalez. Ele afirma ainda que no ano passado, quando o auxílio era de R$ 600, havia compensação de renda, mas os novos valores dificultam que o programa compense as perdas financeiras dos beneficiários.  

Ao desemprego, soma-se o aumento da inflação para as famílias mais pobres. “A inflação de 2020 foi a maior em 8 anos para as famílias de baixa renda. Isso também mostra uma corrosão do poder de compra e piora o cenário da renda”, diz Gonzalez.  

Em março, o Poder360 mostrou que a combinação do auxílio emergencial menor, a alta do desemprego e a piora da pandemia podem fazer com que a fome cresça no Brasil em 2021. Com o poder de compra diminuído, as famílias enfrentam dificuldades para comprar alimentos básicos.  

Nesse cenário, Gonzalez afirma que a única forma de a economia e a situação das famílias mais vulneráveis melhorar é o combate à covid-19. “O que vai acontecer, ao meu ver, continua atrelado a 3 fatores: como a pandemia vai se desenvolver, o ritmo de vacinação e as políticas públicas para mitigar os impactos da pandemia. Dependemos dessa combinação para que a situação não piore”. 

FONTE: PODER360/AGORA RN  
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui