Tratamento precoce é “discussão esdrúxula”, diz médica à CPI

FOTO DESTAQUE: SÉRGIO LIMA/PODER360

A médica infectologista Luana Araújo disse nesta 4ª feira (2.jun.2021) à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado não saber os reais motivos que levaram ao cancelamento da sua nomeação para a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 no Ministério da Saúde. Após ter sido anunciada pelo ministro Marcelo Queiroga, ela foi informada dez dias depois que sua efetivação não seria concretizada. 

A médica disse também que o governo precisa orientar a população com “informações corretas” e “estratégias claras de comunicação” sob pena de colocar as pessoas “em risco”.  Além disso, Araújo afirmou que a discussão sobre o tratamento precoce é “esdrúxula e contraproducente”. 

A infectologista havia sido questionada sobre as falas de Jair Bolsonaro a favor de remédios sem eficácia. Em sua resposta, evitou citar o presidente. “Na hora que qualquer pessoa, independente do seu cargo e de sua posição social, defende algo que não tem comprovação científica, isso expõe as pessoas do seu grupo a uma situação de extrema vulnerabilidade. Todo mundo que diz isso tem responsabilidade sobre o que acontece depois”, disse. 

Ao ser perguntada sobre se seu posicionamento contrário ao tratamento precoce influenciou na negativa ao seu nome, Araújo repetiu não saber, mas disse que a discussão sobre o tema nunca foi feita com Queiroga e voltou a criticar a questão. 

“Essa é uma discussão delirante, esdrúxula, anacrônica e contraproducente. […] É como se a gente estivesse escolhendo de que borda da terra plana a gente vai voar. Não tem lógica. […] Precisamos ajudar o gestor, que é o ministro Queiroga, a conseguir os resultados que ele precisa, porque desses resultados dependemos todos nós”, disse. Para ela, a discussão sobre a falta de eficácia dos medicamentos indicados para o tratamento precoce é “claríssima e transparente”. 

A médica disse ainda ter sofrido ameaças nas redes sociais e que houve uma tentativa de divulgação do seu endereço. Questionada sobre se voltaria ao ministério em caso de novo convite, ela respondeu que provavelmente não. “É uma situação de exposição imensa para alguém que não tinha essa exposição e não precisava disso. Fiz por senso de patriotismo”, afirmou. 

Araújo disse que começou a trabalhar antes mesmo de ser efetivada no cargo porque havia questões burocráticas a serem resolvidas. Porém, depois de alguns dias, entendeu que não seria mais nomeada. “Fui simplesmente comunicada de que essa nomeação não sairia. O ministro lamentou, mas me informou que meu nome não teria sido aprovado”, disse. 

Antes de ter sido convidada a integrar a equipe do ministério, Araújo havia se manifestado publicamente a favor da vacinação em massa, das medidas restritivas e contra o chamado “kit covid”, que incluía medicamentos como a cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina, que não têm eficácia comprovada contra a covid-19. A médica chegou a chamar o tratamento precoce de “neocurandeirismo” e “iluminismo às avessas”. Quando foi convidada, ela disse que pretendia adotar medidas com base na ciência. “Se o veto ao meu nome foi pela minha posição científica, eu só tenho a lamentar. Considero isso trágico”, disse. 

O relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), chegou a insistir de diversas formas para saber a motivação da não nomeação da médica, mas Araújo repetiu não saber. Ela disse que chegou a ter a expectativa por dois dias de que teria seu nome publicado no Diário Oficial da União. “Quando eu vi que a coisa estava se arrastando, entendi que não ia acontecer”, disse. 

Já o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), disse que a não efetivação da médica mostra que “não estão interessados em quem tem capacidade pra gerenciar essa crise”. “Estão interessados em quem compactua com alguém que, desde o primeiro momento, acreditou no tratamento precoce e na imunização de rebanho”, disse. Para ele, o episódio “prova” que Queiroga não tem autonomia no ministério, embora tenha garantido isso à comissão. 

Araújo disse ter sido convidada diretamente pelo ministro, por meio de uma ligação, e aceitou o convite por querer ajudar o país. “O ministro me apresentou um projeto sólido, baseado em evidências e sua apresentação foi consoante com os meus valores”, disse. A médica afirmou que aceitou o cargo sob a condição de ter autonomia. “Não era insubordinação ou anarquia. Eu queria autonomia”, disse. Ela afirmou ainda ter visto “um ministro comprometido e com uma equipe próxima a ele”. 

Araújo disse também ter tido dificuldades para montar uma equipe porque, devido à polarização política “esdrúxula” que existe em torno da pandemia no Brasil, “os maiores talentos não estavam exatamente à disposição para trabalhar nessa secretaria […] Não queriam trabalhar lá”. 

FONTE: PODER360 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui