Lei Maria da Penha completa 15 anos e é tema de audiência da Assembleia do RN

FOTO DESTAQUE: JOÃO GILBERTO

Nos 15 anos da Lei Maria da Penha, a Assembleia Legislativa do RN promove audiência pública para debater avanços e desafios no combate à violência doméstica. Marcado para a próxima sexta-feira (6), o debate “15 anos da Lei Maria da Penha: Avanços e desafios no enfrentamento da violência doméstica contra a mulher” proposto pela deputada Cristiane Dantas (SDD), acontece dentro do Agosto Lilás e um dia antes do aniversário de 15 anos da Lei Maria da Penha. A audiência será realizada às 9h30, com transmissão pela TV Assembleia, canal 10.3 e pelas redes sociais da Casa @assembleiarn.  
 
“O debate será importante para avaliarmos as lacunas que ainda precisam ser preenchidas no combate à violência doméstica, além de promover mais esclarecimentos para toda sociedade sobre a Lei Maria da Penha”, adianta Cristiane Dantas. 
 
O debate, que será realizado virtualmente e com público restrito no auditório deputado Cortez Pereira, na Assembleia Legislativa do RN, contará com a palestra central da co-fundadora e coordenadora jurídica do Instituto Maria da Penha, Anabel Pessoa. Também participarão representantes do Governo do Estado, Tribunal de Justiça, Ministério Público, Prefeituras e sociedade civil.  
 
15 anos 
 
No dia 7 de agosto, a Lei nº 11.340/2006, chamada Lei Maria da Penha, vai completar 15 anos de sanção. Considerada uma das leis mais completas do mudo quando o assunto é violência doméstica, a legislação inovou ao instituir o conceito e os tipos de violência praticados contra o gênero feminino, além da garantia de penalidades aos agressores no Código Penal brasileiro.  
  
Ainda assim, passados 15 anos, muitos mecanismos e políticas públicas previstas na lei não foram consolidadas pela União, Estados e municípios, visto que o Brasil é o 5º País no mundo com maior registro de feminicídios.  
  
No Rio Grande do Norte, no primeiro semestre deste ano, foram registrados oito feminicídios, que é o assassinato de mulheres pela condição de gênero. O dado aponta uma pequena redução em comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram registrados 10, segundo dados da Secretaria Estadual de Segurança Pública. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

um + 13 =