Ibovespa cai 4% e dólar fecha em alta de 1,7% após ministro do STF anular condenações de Lula na Lava Jato

FOTO DESTAQUE: HAFIDZ MUBARAK/REUTERS

O Ibovespa acelera perdas e já cai mais de 4% com a notícia de que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin, anulou as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no âmbito da Operação Lava Jato. Com a decisão, Lula recuperou seus direitos políticos e pode se candidatar a presidente em 2022. 

Os casos envolvendo o tríplex do Guarujá (SP), o sítio de Atibaia (SP) e o Instituto Lula devem ser encaminhados para a Justiça Federal do Distrito Federal. A Procuradoria-Geral da República (PGR) já anunciou que irá recorrer da decisão. 

A tendência é que o recurso seja apresentado à 2ª Turma, colegiado do STF que tem julgado os recursos da Lava Jato na corte. 

Mais cedo, a Bolsa já vinha apresentando perdas diante do cenário de avanço da pandemia de coronavírus. Diversos estados registram superlotações em UTIs e falta de leitos hospitalares enquanto a demora na vacinação segue como um grave impasse no combate à pandemia. 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o Brasil obteve “praticamente uma declaração de que o acordo está fechado” com a Pfizer. O contrato, porém, ainda não foi assinado. A Pfizer entregaria 14 milhões de doses do imunizante. 

Segundo Roberto Attuch, CEO da Ohmresearch, o mercado já estava de mau humor e ficou pior, pois a aceitação do habeas corpus da defesa de Lula foi uma surpresa, pois o único processo que estava no radar em relação a esse tema era o de suspeição do ex-juiz Sérgio Moro, que servia só para a condenação no caso do tríplex do Guarujá e não para as investigações do sítio em Atibaia. 

Agora, de acordo com Attuch, os investidores enxergam um cenário extremamente polarizado para 2022, com um segundo turno quase certo entre o atual presidente Jair Bolsonaro e Lula. “Se o mercado se decepcionou com o Bolsonaro nas últimas semanas com a falta de agenda reformista, agora o que se enxerga para o ano que vem são dois candidatos que não são comprometidos com as reformas de ajuste fiscal”, avalia. 

Na mesma linha, Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos, acredita que essa decisão tornou menor o espaço para alguém com uma postura mais de centro ser competitivo. 

Para Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados se, de fato, for confirmado que Lula vai recuperar os direitos políticos e voltar a ser elegível, haverá um cenário complicado nos próximos dois anos. 

FONTE: INFOMONEY 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

três × cinco =